Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caderno Diário

Escrever é algo que me apraz. Ante a minha vontade de criar, muitas vezes me falta tempo. Aqui passo da vontade à prática. Este é um caderno onde escrevo sobre a minha vida pessoal e temas da atualidade que me fazem refletir.

Caderno Diário

Escrever é algo que me apraz. Ante a minha vontade de criar, muitas vezes me falta tempo. Aqui passo da vontade à prática. Este é um caderno onde escrevo sobre a minha vida pessoal e temas da atualidade que me fazem refletir.

Passou um ano...

Hoje, aquilo que não queria escrever é que passou um ano desde o início da guerra na Ucrânia.

Não queria, mas lá no fundo, quando isto "começou" acho que quase todos nós sabíamos que nem os russos iam sair dali facilmente, nem os ucranianos se iam render e dar de mão beijada o que já era seu. O conflito não começou há um ano, enganam-se os que acham isso, apenas fomos acordados para ele naquela invasão feita de grande aparato que reacordou uma guerra antiga.

Volta não volta, lá entra o assunto da guerra em algumas sessões com os meus alunos, isto porque é um tema atual e que serve muitas vezes de termo de comparação com outros episódios vividos no passado. Usar os media e despertá-los para os assuntos reais, ajuda-me a levá-los mais atrás e a despertar-lhes o interesse por outras épocas históricas. Afinal, parece que a história se repete não é? Uns invadem outros, muda a geografia, mudam as fronteiras, agora domina um, amanhã domina outro. As grandes potências lá vão dando uns dinheiritos para a guerra, enquanto outros mais pequenos tentam juntar umas latas de feijão e mandar para as zonas de conflito, rezando para que lá cheguem e matem a fome e o frio a alguém.

Passou um ano.

Mas não desisto de referir a anexação da Crimeia em 2014 e um tal de "referendo" que se fez na altura para legitimar a invasão daquele território. Tentou-se fazer novamente isso com outras províncias, como em Donetsk e em Luhansk, ambos na zona de Donbass, em 2015 e novamente neste último ano. Qualquer destas regiões são importantes, em especial a Crimeia pela sua localização. Voltamos ao assunto das cidades portuárias que tanta importância tiveram ao longo da história da Europa. Falar em "Mare Nostrum" na época romana, não era assim tão descabido, como não parece ser agora falar em gasodutos. Mudam-se os interesses mas o principal continua lá - o domínio das melhores redes de comunicação marítimas. 

A guerra, a morte, os atentados e bombardeamentos, as atrocidades e as torturas que estão a ser feitas todos os dias contra um povo... não podemos deixar que nada disto caia no esquecimento. Se cada vida vale - todas enfim, de um lado ou do outro do conflito deviam valer o mesmo - porque se luta então? Porque se invade, se mata... se morre!

Passou um ano...

E amanhã?

Onde estão os 6000 menores ucranianos "ajudados" pela Rússia?

Em zonas de guerra, as crianças deviam ser protegidas. Muitas, ficam órfãs, ou perdem-se das suas famílias. Mas o que se está a passar na Rússia, não é apoiar as crianças ucranianas afetadas pelo conflito. Trata-se de rapto. Trata-se de uma clara violação dos direitos humanos. Desde o início da invasão, milhares de crianças ucranianas foram levadas ilegalmente para a Rússia. Ninguém sabe onde estão.

O início da invasão do território ucraniano (a 24 de fevereiro de 2022) pela Rússia, atingiu milhares de famílias. Cerca de 6000 menores ucranianos, terão sido reconduzidos para campos de reeducação ou passaram a integrar o sistema de adoção russo. A denúncia é de um estudo efetuado pela universidade de Yale e financiado pelo Departamento de Estado Norte Americano. Os números são preocupantes! As que foram enviadas para estes 43 centros, estão longe das suas famílias e, em muitos casos, são consideradas órfãs apesar de terem pais ou tutores claramente definidos pela legislação. 

Estes centros localizam-se em locais como a Criemia, Moscovo, ou mesmo na Sibéria e expõe as crianças a programas de reeducação política e de educação militar, além da educação académica russa e do patriotismo cultural. Os menores fazem treino físico mas também aprendem a manusear armas e a conduzir.

Aconselho o visionamento de uma reportagem emitida na semana passada na TVI onde se dava conta, precisamente, do rapto de crianças ucranianas pelas forças russas, que sujeitam os menores tortura e outras práticas violentas, retirando-os às famílias. Onde estão estas crianças? 

Fontes:

https://www.dn.pt/internacional/eua-denunciam-que-russia-envia-criancas-ucranianas-para-campos-de-reeducacao-e-orfanatos-15840390.html

https://cnnportugal.iol.pt/guerra/ucrania/pelo-menos-seis-mil-criancas-ucranianas-enviadas-para-campos-de-reeducacao-russos-onde-recebem-treino-militar/20230215/63eca5900cf2cf9224f912b3

https://cnnportugal.iol.pt/videos/torturaram-no-com-correntes-eletricas-e-depois-levaram-no-para-a-bielorrussia-como-a-russia-esta-a-raptar-criancas-ucranianas/63e3f71d0cf2665294d4aef4

 

Pág. 1/3