Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caderno Diário

Gosto de escrever e aqui partilho um pouco de mim... mas não só. Gosto de factos históricos, políticos e de escrever sobre a sociedade em geral. O mundo tem de ser visto com olhar crítico e sem tabús!

Caderno Diário

Que motivos...

... podem existir para um país atacar outro?

Penso no tempo das cruzadas, nas descobertas de novas terras, da expansão marítima de que nos fala a história. Afinal pouco evoluímos! Seremos assim tão ávidos de terra nova? Precisaremos de terras para cultivar, área para construir?

Não será muito diferente embora possamos pensar que evoluímos um pouco, é a ganância que motiva cada ataque, cada invasão.

A Ucrânia é rica na produção de milho, batata, mas não é atrás de legumes nem grão que a Rússia está! É dos depósitos de gás, do Urânio e, claro, da grande capacidade em energia nuclear.

As centrais, essas, já ali deram que falar (e ainda preocupam) mas agora estamos em pé diferente: agora passam mísseis a  rasar as infraestruturas. Se algum arranhar sequer um desses tanques, o resultado será inimaginável. Ainda não as quiseram rebentar por razões óbvias, seria cometer suicídio também, poluindo as terras e a atmosfera de ambos os países por muitos e muitos anos, atingindo outros países ao redor numa extensão que não poderemos sequer imaginar!

Não rezo porque não acredito. Acredito na humanidade, ainda consigo acreditar que as pessoas se podem juntar e lutar, que podem chegar a um compromisso, a um entendimento e, que alguém mais corajoso, consegue derrubar o regime russo e não deixar que estenda as suas garras até nós, que nos designamos europeus!

Quando pensávamos que tudo ia ficar bem...

... a Rússia coloca as tropas junto da fronteira da Ucrânia. Não me levem a mal as palavras, mas de santos não têm nada e está para vir merda da grossa. Daquele lado, só pode! Não vão estar ali a fazer só exercícios como quere fazer parecer ao resto do mundo. Daquele presidente, do governo, não espero nada de bom.
 
Aquela região ainda há pouco tempo abanou com o conflito da Crimeia, que passou despercebido à razão de muitos de nós. Estamos em segurança, aqui na nossa pontinha, mas só espero que esteja enganada e que aquilo não vá ser mais uma guerra como a do Golfo ou pior...
 
Abrimos as nossas televisões e é geral o sentimento de medo.
 

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou hoje que autorizou uma operação militar no leste da Ucrânia. Putin afirmou para a televisão, para quem quis ouvir, que a ação visa desmilitarizar o país vizinhos, mas não ocupá-lo. Acreditar neste senhor?

Segundo o presidente russo, a operação militar quer proteger a região de Donbas, no leste do país. Apesar da afirmação de Putin, correspondentes de agências internacionais relatam que houve explosões na capital Kiev. De um dia normal, passamos a uma cidade, a um país em estado de guerra.

Não quero acreditar nisto!

Dia da Mão vermelha - os meninos soldado

Na problemática da guerra, as crianças são as principais vítimas. Durante a última década, a guerra travou-se em diversas áreas geográficas. E, embora todos os conflitos sejam diferentes, estas guerras têm uma terrível realidade em comum: em todas elas, as crianças pegam em armas e nascem os meninos-soldado.

Em 2002 surgiu por iniciativa da ONU, o Dia da Mão Vermelha, com a instituição de um Protocolo Facultativo, à Convenção dos Direitos da Criança e que foi assinado por mais de 100 países. O recrutamento de crianças e adolescentes para a guerra é uma realidade em vários países do mundo, surgindo a data como uma chamada de atenção internacional para esta situação. Estima-se que o número de crianças soldados espalhadas pelo mundo ande entre 300 e 500 mil (das quais um terço são raparigas).

Desde 2005, ano em que a ONU estabeleceu um sistema para monitorizar e denunciar violações graves contra crianças, tais como recrutamento, rapto, violação e ataques a escolas e hospitais, uma em cada quatro violações a nível global foi cometida na África Ocidental e Central, acrescenta o relatório.

Em países palco de conflitos, como o Burkina Faso, República Centro Africana, Camarões, Chade, Congo, Mali, Mauritânia e Níger, a violência tem tido consequências humanitárias devastadoras para as crianças e comunidades, sendo que a pandemia agravou a situação, afirma a ONU.

As crianças da África Ocidental e Central são as que integram mais grupos armados em todo o mundo e as que em maior número são vítimas de violência sexual, segundo relatório da UNICEF. A região tem vindo a assistir ao aumento do número e da intensidade dos conflitos nós últimos cinco anos, período em que mais de 21.000 crianças foram recrutadas por forças governamentais e grupos armados, afirma o relatório da UNICEF.

Por outro lado, mais de 2.200 crianças na região foram vítimas de violência sexual desde 2016, ainda segundo o mesmo texto e mais de 3.500 crianças foram raptadas, o que dá a esta região o segundo maior registo de raptos em todo o mundo. 

O conflito nos quatro países da bacia do Lago Chade - Camarões, Chade, Níger e Nigéria - deslocou cerca de 3 milhões de pessoas. No caso de Burkina Faso, onde uma insurreição jihadista matou milhares de pessoas, o recrutamento de crianças aumentou pelo menos cinco vezes este ano, em comparação com quatro casos documentados em todo o ano passado.

As crianças associadas a grupos armados são frequentemente expostas a níveis de violência estremos, logo desde o seu rapto e recrutamento. Em muitos casos, pode ser precedido ou seguido de outras violações onde se destaca a violência sexual e mesmo o assassinato ou a sua mutilação. Para milhares de crianças, a guerra é um caminho sem retorno.

Fontes:

https://cnnportugal.iol.pt/guerra/conflito/criancas-soldado-abuso-de-menores-e-raptos-os-numeros-assustadores-da-africa-ocidental-e-central/20261126/619ccfce0cf2c7ea0f0a1b37

https://yield.pt/dia-da-mao-vermelha/

https://pt.euronews.com/2021/02/12/12-de-fevereiro-dia-internacional-dos-meninos-soldados

 

 

Parabéns Seleção

A seleção portuguesa de Futsal venceu o campeonato europeu, por 3-2 numa final muito bem disputada contra a Espanha. Duas equipas excelentes em campo. Ricardinho com 7 golos e Bruno Coelho com 6, são os melhores marcadores do campeonato!

Ao trabalhar com crianças nesta modalidade, costumo estar atenta a estes jogos, para depois trocar impressões com eles no treino seguinte. Eles ainda são pequeninos, mas há coisas que já sabem e gostam de falar dos seus jogadores preferidos, tanto do futebol como do futsal. E o importante, não são os clubes, mas a forma como se pode aproveitar os bons exemplos para ensinar e, neste caso, para os motivar a continuar na modalidade. 

Resgate das profundezas da terra... Rayan

O mundo tem os olhos postos num buraco que se abriu para as profundezas e onde um menino, 5 anos, caiu.

O mundo tem os olhos postos nas ações das equipas que o tentam tirar de lá, esperando o erro, para criticar, dizer fazer, mas não é todo o mundo que está lá... são eles que cavam a terra suja e dura nas suas mãos e com o coração apertado tentam um último esforço, talvez no fim já sabendo que nada havia a fazer por ele...

Só o querendo resgatar do coração da terra, dar-lhe finalmente o calor de um colo, de uma manta, de um toque humano...

O mundo tem os olhos no pai que coloca a mão sobre a mãe e a conforta quando, talvez já o soubessem dentro do coração sangrante, adivinham o fim trágico de um da sua prole...

O mundo tem os olhos na mãe e nos seus gestos, no conforto que ela tenta dar à comunidade que a apoia com comida em tom de agradecimento, quando ela mesma sabe que é apenas o que pode fazer, esperar e agradecer...

O mundo quer estar ali, para ajudar, mas não está, estamos do lado de cá do ecrã a espreitar ocasionalmente o buraco, onde caiu o menino que uniu por horas o mundo, além de credos, regiões e religiões.

E ele descansou, deixou-se levar no embalo do sono, do frio, da fome... alheio ao murmurinho do mundo.

 

Fontes:

https://www.jn.pt/mundo/rayan-resgatado-com-vida-de-poco-em-marrocos-14562477.html

https://observador.pt/2022/02/04/rayan-o-menino-de-cinco-anos-que-luta-pela-vida-a-32-metros-de-profundidade/