Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caderno Diário

Escrever é algo que me apraz. Ante a minha vontade de criar, muitas vezes me falta tempo. Aqui passo da vontade à prática. Este é um caderno onde escrevo sobre a minha vida pessoal e temas da atualidade que me fazem refletir.

Caderno Diário

Escrever é algo que me apraz. Ante a minha vontade de criar, muitas vezes me falta tempo. Aqui passo da vontade à prática. Este é um caderno onde escrevo sobre a minha vida pessoal e temas da atualidade que me fazem refletir.

Tiroteio em escola em Oxford

Mais uma vez, a notícia recai sobre um crime realizado por um jovem num estabelecimento de ensino nos EUA. Desta vez, um adolescente de 15 anos matou pelo menos três estudantes e feriu vários outros, assim como um professor, na escola de ensino médio de Oxford, Michigan, uma pequena cidade próxima a Detroit. A Oxford High School, com cerca de 1.800 alunos, localiza-se numa comunidade de cerca de 22 mil pessoas e fica a cerca de 48 quilómetros ao norte de Detroit.

O sub-xerife do condado de Oakland, Mike McCabe, disse à imprensa local, sem dar detalhes, que o suspeito detido estava com uma arma curta — e de acordo com as autoridades,  terão detido o suspeito cinco minutos depois da primeira chamada a pedir ajuda.

Ethan Crumbley, estaria numa reunião com os pais e a diretora da escola, quando iniciou o terrível ataque. Não se sabe ainda se as vítimas foram escolhidas ou aleatórias, uma vez que o autor se remeteu ao silêncio.

Os alunos foram retirados da escola e levados para um estacionamento nas imediações, onde os pais ou responsáveis os foram buscar.

Só este ano, os Estados Unidos já registaram 138 tiroteios deste género.

Fontes:

https://rr.sapo.pt/noticia/mundo/2021/11/30/adolescente-abre-fogo-em-escola-dos-eua-e-mata-pelo-menos-tres-pessoas/262788/

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/11/30/tiroteio-em-escola-de-michigan.ghtml

 

Dia Internacional para a eliminação da Violência contra as mulheres

Assinala-se hoje o dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres. Que se se tenha de assinalar um dia destes é por si só uma falta de civilidade e de humanidade e, ao mesmo tempo, uma necessidade latente que ao fim de 40 anos continua presente.  

Temos visto por toda a Europa diversas manifestações em defesa dos direiros das mulheres. No que concerne à pandemia e ao enclausuramento a que todos tivemos de nos submeter, este pode ter tido um efeito muito negativo na vida de muitas mulheres que se viram "presas" com os seus agressores na mesma casa. Se antes, quando iam trabalhar e passavam pela porta de esquadras, centros de saúde ou de um vizinho, não pediam ajuda, com a pandemia ainda menos o fariam. As mulheres que são vítimas não o são por quererem, mas é delas que vem o passo mais importante para se livrare m dos abusos a que são sujeitas.

Nos últimos anos, a televisão portuguesa tem feito um trabalho excelente na divulgação de situações de violência doméstica, mediatizando e acusando fortemente estas situações, assim como divulgando os meios de ajuda e reinvindicando a atuação das autoridades.

No que aos direitos humanos diz respeito, existem ainda países e comunidades em que o caminho ainda não foi iniciado. Não basta que se assinem convenções, há que as pôr em prática. 

Na Hungria, o governo recusou a Convenção de Istambul, justificando que não há diferença de género, mas apenas uma diferença biológica entre homens e mulheres. O que isto pode significar para estas pessoas que governam na Hungria, deixa-me com sérias questões. Sim há diferenças biológicas, isso é óbvio, mas o que a Convenção pode trazer vai muito além da afirmação da diferença de género. Ter sido redigida em Istambul, na Turquia, é por si só um facto histórico, quando os direitos das mulheres ainda são tão violados nesse mesmo país.

Portugal ainda não evoluiu muito. Em muitas, mas muitas, casas, ainda há um patriarcado afirmado em diferentes formas de tratamento, em que é o homem que se assume com o direito mandatário. 

E enquanto morrerem mulheres em Portugal, vítimas de violência doméstica, ainda há muito a fazer! 

 

Fontes:

https://apav.pt/apav_v3/index.php/pt/2149-25-novembro-2019-dia-internacional-pela-eliminacao-da-violencia-contra-as-mulheres

https://www.cig.gov.pt/2021/11/dia-internacional-pela-eliminacao-da-violencia-contra-as-mulheres-campanha-portugalcontraaviolencia/

 

Pág. 1/2