Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caderno Diário

Gosto de escrever e aqui partilho um pouco de mim... mas não só. Gosto de factos históricos, políticos e de escrever sobre a sociedade em geral. O mundo tem de ser visto com olhar crítico e sem tabús!

Caderno Diário

Natal

No meu Natal, há esperança. 

No meu Natal, há árvore, há bolas e há fitas. Há uma mesa recheada e composta e muitos presentes. Há o luxo que se pode numa época em que, não vivendo de forma abastada, tenho um teto, trabalho e comida.

No Natal cá de casa, há muito mais do que haverá noutras casas. 

Como é tradicional, o Primeiro ministro deixou a sua mensagem de Natal. Aqui deixo um pequeno excerto dessa mensagem:

"Portugal vive um momento particularmente importante, que é essencial poder ser vivido e partilhado com justiça por todos os portugueses. Pela primeira vez desde o início do século a nossa economia cresceu mais do que a média europeia, reduzindo fortemente o desemprego, permitindo-nos ter, finalmente, contas certas e melhorar a vida da maioria das famílias."
 
Será?
 
Para alguns de nós talvez venha aí um ano melhor, assim espero. Da minha parte, acho que o Pai Natal me poderia trazer um pouco de sossego nas minhas dores e um pouco de empatia daqueles que lidam comigo todos os dias. Não consigo já estar disponível para ajudar os outros como antes estava. Já não consigo ser quem era. Natal, pode ser uma época de compreensão, de entendimento e de perdão, mas o que sinto é que eu fiz e dei a minha parte e que agora deveria estar a receber dos outros essa compreensão e não... 
 
O Natal é uma mesa cheia, são embrulhos, presentes e cânticos. Mas é um dia como os outros... um dia com dores, um dia em que me custa estar bem disposta e feliz. É um dia de mesa cheia mas de lugares vazios. 
 
O Natal é também dia de trabalho. Na nossa família, somos dois a trabalhar no Natal, ora na noite de consoada, ora no próprio dia de Natal, na rua ou na Central, nós como outros como nós temos de escolher entre a nossa família (o meu filho) e o nosso trabalho. E se é um ato de amor ao próximo? Já foi... já lá vai o tempo em que eu o fazia por querer dar algo mais aos outros, por fazer a diferença naquele dia na noite de consoada de alguém. Agora é uma obrigação que me faz estar constantemente a pôr em causa, o que é que estou aqui a fazer. Este sentimento não é fácil de gerir, porque é um misto de culpa e que me faz refletir muito sobre aquilo que sou e em que me estou a tornar. E o pior é que tenho medo de passar toda esta negatividade para o meu filho. 
 
Mas hoje é Natal. Comi muito, dei mais prendas do que aquelas que recebi e isso deixa-me feliz. E há no país tantas crianças que hoje comeram tão pouco quanto ontem, ou menos...  mas diz o nosso Primeiro-ministro que o país está melhor.
 
Feliz Natal.
 

Tráfico de... bebés

Um bebé não é um objeto de quem se tome posse, venda ou compre. Não é um artigo que se publicite, que se anuncie. Mas há quem ganhe dinheiro na venda de bebés. Crianças geradas no seu ventre com o fim de serem vendidas a quem mostrar interesse na sua compra. O que leva um casal a pensar que produzir e vender filhos, pode ser um negócio rentável? Ao que chega a humanidade quando se traficam os próprios bebés, que gente é esta tão sem amor?

Em dezembro do ano passado, chegou à PJ uma denúncia anónima que alertava para um esquema de tráfico de bebés. De acordo com a polícia Judiciária, os criminosos eram residentes na área do Porto e Vila do Conde, e foram "indiciados da prática de quatro crimes de tráfico de seres humanos, concretizados na alienação de crianças recém-nascidas, bem como de igual número de crimes de falsificação de documentos autênticos."

O casal responsável por este "negócio", composto por uma mulher de nacionalidade brasileira e por um homem de nacionalidade portuguesa, terá vendido quatro bebés (entre 2011 e 2017) para cidadãos portugueses residentes noutros países da União Europeia. Os bebés, nascidos e registados em Portugal, eram todos filhos biológicos da detida, enquanto a paternidade se pensa que fosse falsificada de forma a facilitar a saídas das crianças do país - ou seja, o comprador, seria o "pai" que figuraria no registo de paternidade. Crê-se que as crianças fossem mesmo geradas com o intuito de venda, as quais terão acontecido a valores bastante elevados. 

A mulher, agora detida, tem outros filhos ainda menores, quantos são não está confirmado, mas serão todos mais velhos do que os entretanto vendidos. Os vizinhos começaram a estranhar ver a mulher grávida, mas depois os bebés não apareciam. Ainda não se sabe se os partos terão ocorrido em casa ou em ambiente hospitalar, o que também levanta a questão sobre se haverão outros elementos envolvidos. 

Entre os casais que compraram estas quatro crianças - atualmente com idades entre um e sete anos - "estão cidadãos portugueses", disse o diretor PJ Porto, Norberto Martins, acrescentando que as crianças estão em países da União Europeia e que a polícia sabe onde se encontram. A investigação acredita que existia um ou mais intermediários a facilitar a venda das crianças, que chegaram a ser vendidas por cerca de 20 mil euros cada. 

Dá que pensar... qual é o preço de um bebé? De um ser humano?

 

 

Fontes:

https://www.dn.pt/pais/pj-prende-casal-suspeito-de-trafico-de-recem-nascidos-10346704.html

https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/alerta-cm--casal-detido-por-trafico-de-recem-nascidos-no-porto

https://sol.sapo.pt/artigo/639432/pj-diz-que-mae-gerava-filhos-ja-com-a-intencao-de-os-vender-mulher-lucrou-80-mil-euros

 

EUA retiram da Síria

Após as diversas interferências feitas no território, o presidente Donald Trump resolve agora dar ordem para a retirada de cerca de 2.000 militares dos Estados Unidos posicionados no nordeste da Síria. Estes lutavam contra os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI). Ancara ameaçou agora lançar uma ofensiva contra as forças curdas na mesma altura em que os soldados americanos se vão embora. 

E assim se continua, com uma Síria completamente devastada pela guerra. Entram e saem, uns ajudam, outros ocupam, os mortos são aos milhares, homens, mulheres e crianças... 

Mas esta gente anda toda bem? Isto das fronteiras e dos quintais e anexos não devia estar já definido em pleno século XXI? Estas ocupações já não fazem sentido! Parece que pararam no tempo e as preocupações são apenas atacar, matar, assassinar! E lá vão as grandes potências, dar armas a uns, destruir o armamento dos outros, dar dinheiro para financiar a guerra e depois mandar para lá soldados para ajudar. Aos poucos se caminha para mais uma guerra mundial, camuflada e que parece que está longe, mas olhem para o mkapa e lá estamos nós, metidos lá no meio, com acordos em que estamos envolvidos... espero que não se lembrem que temos aqui umas bases militares bem posicionadas, não é?

E o pior é que se fundamentam estas guerras em crenças e credos, ainda se fosse em fatos científicos... mas em coisas que uns acreditam e outros não? Não se preocupam com as pessoas que estão ao lado, com os seus vizinhos, com as suas crianças, mas depois vão rezar? Batam lá com a cabeça no muro e acordem! Olhem à volta! O que há está aí, aos vossos olhos! Deixem-se de guerras e credos e crenças! Não percebo como é que evoluimos em sociedade e nisto não há evolução.

Quando morre quem salva... queda de heli do INEM

É sempre difícil relatar a morte daqueles cuja vida esteve dedicada aos outros. Esta madrugada, soube-se da queda de um helicóptero do INEM, com quatro pessoas a bordo. Neste momento, as vítimas já foram encontradas e estão a realizar-se operações para resgatar os quatro corpos.

O helicóptero do INEM, com dois pilotos, um médico e um enfermeiro, regressava para Macedo de Cavaleiros, Bragança, quando foi dada como desaparecida desde as 18:30 de sábado. Segundo o organismo, "o incidente ocorreu numa altura em que se verificavam condições meteorológicas bastante adversas". 

A aeronave em causa é uma Agusta A109S, operada pela empresa Babcock, que trabalha para o INEM desde 2000 na sequência de um concurso público internacional.

"O transporte teve início às 15h13m, altura em que o helicóptero levantou voo da sua base para o hospital de origem do doente, tendo o mesmo sido entregue aos cuidados das equipas médicas do Hospital de Santo António cerca das 18.10", informou o INEM. Segundo a Navegação Aérea de Portugal (NAV, que controla o tráfego aéreo em Portugal), a tripulação contatou com a torre de controlo do Porto às 18.30, para informar que iria descolar para Macedo de Cavaleiros via Baltar (para abastecimento). 

A primeira perda de sinal radar com o helicóptero deu-se às 18.55, quando a aeronave seguia entre Couce e Aguiar de Sousa, freguesia do concelho de Paredes, anunciou a NAV, salientando ainda que a perda de comunicações "é normal", devido "à altitude e orografia do terreno". Não terá sido feita qualquer comunicação de emergência.

A hora expectável de aterragem, tendo em conta a hora de descolagem do aparelho, era às 19.00, mas asituação "foi reportada cerca das 20.15, ainda sem se saber a localização". Ainda não se conseguiu perceber porque é que o alerta foi dado quase duas horas depois do desaparecimento do helicóptero. 

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) definiu imediatamente a zona onde o acidente terá ocorrido e foram enviados os meios para o terreno. Foram mobilizadas 203 pessoas para a operação, 134 das quais operacionais da Proteção Civil, apoiados por 35 veículos.

O helicóptero EH-101 Merlin, que saiu da base do Montijo pelas 21.45 de ontem, chegou a estar no local onde decorriam as buscas, próximo da aldeia de Couce, em Valongo, mas teve de abandonar o local, já que as condições atmosféricas não permitiam a continuação das operações. 

A ajuda de um grupo civil que conhecia bem a zona revelou-se decisivo para encontrar os destroços, ainda durante a noite. Os corpos das quatro vítimas foram encontrados 700 metros a sul da capela da Santa Justa, em Valongo.

O INEM acabou por emitir depois um comunicado a confirmar oficialmente as mortes, depois de informar as famílias das quatro vítimas. Dados como desaparecidos durante horas, os ocupantes da aeronave viriam a ser encontrados já sem vida: o médico Luís Vega, a enfermeira Daniela Silva, o piloto João Lima e o copiloto Luís Rosindo. Podiam ter ficado a aguardar que o mau tempo passasse, mas a vida não deve ser feita de "ses". A decisão de regressar à base revelou-se fatal para todos.

O serviço de helicópteros de emergência médica do INEM foi criado em 1997, tendo desde então realizado cerca de 16.370 transportes de doentes urgentes, "sem que se tenha verificado qualquer incidente grave" como este.

 

Fontes:

https://www.tsf.pt/sociedade/helicoptero-do-inem-desaparece-com-quatro-pessoas-a-bordo-10328561.html

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/17-dez-2018/queda-de-helicoptero-o-que-sabemos-sobre-o-acidente-10331618.html

https://observador.pt/2018/12/16/quem-sao-as-quatro-vitimas-da-queda-do-helicoptero-do-inem/

 

Ataque terrorista mata sonhos de natal

Uma feira de Natal. As barraquinhas, as cores, os aromas, a alegria, os risos e as conversas. Aquele friozinho, os encontros com amigos, a música e as luzes. De repente, todo este ambiente se altera. Ouvem-se tiros. O pânico invade as ruas, as pessoas correm, tentando fugir sem saber para onde ou quantos são os atacantes. 

Um homem identificado como Chérif Chekatt, nascido em fevereiro de 1989, disparou junto ao mercado de Natal no centro de Estrasburgo, em França, matando pelo menos três pessoas (uma está em morte cerebral) e ferindo outras 13 pessoas - seis das quais em estado grave, segundo o último balanço das autoridades. O atacante andou por várias ruas, ora disparando ora usando também uma faca. Disparou contra quatro militares, que ripostaram e o atingiram no braço.

Pelo menos 350 agentes e polícias estão no terreno à procura do atirador, dos quais 100 membros da polícia judiciária, e dois helicópteros. Há indicações de que a polícia alemã intensificou o controlo nos postos fronteiriços com a França, para evitar a fuga do suspeito. Depois do ataque foram repostos os controlos nas fronteiras para evitar que o atirador saia do país. Há também uma atenção especial das forças de segurança aos mercados de Natal existentes por toda a França, para evitar outros "ataques por mimetismo". Durante a noite, as autoridades efetuaram buscas na casa do suspeito, onde a polícia encontrou uma granada defensiva e uma arma de pequeno calibre. Dois irmãos do suspeito foram entretanto detidos para interrogatório. Pelo que se sabe, o atirador iria ser detido esta terça-feira de manhã pela polícia, mas não o encontraram no seu local de residência.

O Parlamento Europeu, que tem uma base em Estrasburgo, foi fechado e todos que estavam lá foram proibidos de sair. 

A França já se encontrava em alto nível de alerta terrorista desde que aconteceram uma série de atentados jihadistas que deixaram 246 mortos em 2015. A última vítima de ataque terrorista no país foi esfaqueada por Khamzat Azimov - um jovem de 20 anos morto pela polícia - no bairro turístico da Ópera, em Paris, no dia 12 de maio de 2018.

Fontes:

https://www.dn.pt/mundo/tiroteio-em-mercado-de-natal-em-estrasburgo-pelo-menos-um-morto-10308168.html

https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2018/12/11/tiros-estrasburgo.htm?cmpid=copiaecola